A maioria dos enfermeiros não progride na grelha salarial da sua carreira desde agosto de 2005.

Mais de 13 anos. Os sucessivos Governos, primeiro congelaram a progressão, depois, impuseram a alteração das regras de progressão.

Teve como efeito: a diminuição do rendimento líquido mensal disponível e juntou 90% dos enfermeiros, com diversas formações e com diferentes anos de serviço, na mesma remuneração.

O Orçamento de Estado de 2018 veio descongelar a progressão na carreira.

No entanto há Instituições EPE que não efetuaram o descongelamento.

Na semana passada tivemos conhecimento de que o SESARAM, EPE pretende descongelar os enfermeiros não fazendo a contagem correta dos pontos.

Com essas interpretações acaba por “roubar” pontos / anos de trabalho a todos os enfermeiros, esquecendo o papel fundamental dos Enfermeiros no Serviço Público Regional de Saúde da RAM ao longo dos anos!

Ou seja, a aquisição e o desenvolvimento de competências inerentes ao crescendo de anos de serviço não induz qualquer diferenciação remuneratória.

Em conclusão: Para o SESARAM, EPE os Enfermeiros não contam!